quinta-feira, 27 de novembro de 2008

O Jogo de Xadrez

É incrivel a forma como as crianças nos podem surpreender. É o caso do meu rebento de 5 anos que, após ter descoberto o xadrez (há duas semanas) não quer fazer mais nada e cada vez joga melhor. É, realmente, espantoso!!!
.
E eu, que nunca tinha ligado muito ao xadrez, dei por mim a achar a história deste jogo muitissimo interessante:
.
Há muitos séculos os gregos atacaram os troianos e cercaram a cidade de Tróia. A luta foi dura e os gregos não conseguiam derrotar os seus inimigos. O tempo passava e os troianos defendiam-se por todos os meios. Então Palamedes, chefe dos gregos, inventou um jogo, a Petteia, que prendeu a atenção dos soldados, já aborrecidos com a resistência do inimigo. Este jogo, segundo se julga, era uma espécie de xadrez e ganhou logo grande popularidade.

No entanto, nem todos aceitam Palamedes como criador do xadrez. Assim conta-se que foi na Índia que o jogo foi inventado por Sissa, ministro de um príncipe muito orgulhoso. Sissa resolvei dar uma lição ao seu senhor e provar-lhe que ele nada seria sem o apoio do seu povo. Depois de muito pensar o ministro inventou um jogo no qual o rei precisava do apoio de todas as outras peças para conseguir vencer o adversário. Encantado com o jogo que era o xadrez, o príncipe quis recompensar o inventor. Este pediu-lhe um grão de trigo para a primeira casa do tabuleiro, dois para a segunda, quatro para a terceira, oito para a quarta e assim, sempre duplicando, até à última casa. O príncipe achou fácil satisfazer tal desejo, porém depressa viu que teria de dar a Sissa 18.446.744.073.709.551.615 grãos de trigo, o que equivalia a encher todos os continentes da Terra com searas. Então Sissa renunciou ao seu pedido - que sabia impossível - e explicou ao príncipe a ideia que tinha tido ao inventar o xadrez. Este cheio de gratidão nomeou-o seu primeiro ministro e conselheiro.
.
Da Índia o jogo, que então se chamava Chaturanga, foi levado para a Pérsia onde ganhou muitos adeptos. Mais tarde, os árabes, ao conquistarem aquele país, ficaram de tal maneira entusiasmados com o jogo, que o trouxeram para a Península Ibérica, quando a invadiram. Daqui o xadrez espalhou-se para toda a Europa.

Foram os árabes que escreveram os primeiros livros exclusivamente dedicados ao xadrez e foram eles, também que compuseram os primeiros problemas de xadrez, pouco mais ou menos como aqueles que hoje vemos.

Aprendendo a jogar com os árabes, os habitantes da Península Ibérica desenvolveram muito a prática do xadrez. Os primeiros grandes jogadores são os espanhóis e um português.
.
Foi um português que, em 1512, mais contribuiu para a modernização do xadrez, com um livro escrito em italiano «Libro da Imparare giocare a Scachi». Chamava-se este xadrezista Damião e era farmacêutico na vila alentejana de Odemira. Por este tempo, jogava-se muito xadrez em Portugal. Dizem os cronistas que D.João II levava sempre nas suas viagens um jogo portátil no qual as suas peças se espetavam no tabuleiro, com alfinetes, para não caírem com os solavancos que os carros puxados por cavalos davam nos caminhos mais difíceis dessa época...

10 comentários:

Vieira Calado disse...

Todas as crianças deviam jogar xadrez.

Quando aprendem apaixonam-se por ele.
E desenvolvem uma série de qualidades.

O governo, em vez de pôr os miúdos de tenra idade a aprender inglês (que não lhes serve para nada, naquela idade)
devia pô-los todos a jogar xadrez.


Bjs

Noslen ed azuos disse...

Adoro jogar xadrez, lembro o primeiro dia que aprendi a jogar e não parei mais, acho que acontecerá também com o seu filho, é uma paixão eterna; é também um jogo que o seu maior oponente é você mesmo, nele você trabalha sua personalidade e seu domínio interior; sem dúvidas é muito bom para o desenvolvimento lógico e lúdico.

bjs
ns

gaivota disse...

acho ótimo, o meu neto com 6 anos anda de volta do jogo e quer aprender, mas comigo não se safa, eu não sei mesmo...a ver se alguém sabedor lhe ensina, as crianças aprendem facilmente, e é muito interessantebeijinhos

Violeta disse...

e assim lá vais tu tornar-te numa perita em xadrez.
Bom fim de semana.

Esquadrão SS disse...

Compartilho a admiração pelos fractais, caos, complexidade, euações diferenciais não-lineares e por aí vai. Gostei do blog. Incentive o garoto que vale a pena. Parabéns!

Menina do Rio disse...

Eu não conhecia o xadrez sob esse ângulo. Muito interessante, mesmo!

Um beijinho

JC disse...

O xadez desenvolve a mente e a concentração. Em vez e porem as crianças com actividades por vezes disparatadas para a sua idade era preferível haver alguém que lhe ensinase este jogo.

kakauzinha disse...

Ora aí está um jogo que ainda espero aprender, se a tanto me ajudar o engenho e a arte. Tenho é de arranjar uma vítima que me ature.

Beijinhos azuis****

Poeta Mauro Rocha disse...

Ola!!Esse jogo é um dos melhores estimo que conheço para o mente, e todos deveriam aprender xadrez.Seu rebento está no caminho certo.

Um abraço!!

Leonor disse...

também o meu sobrinho (e afilhado) adora xadrez!! já sei a quem reencaminhar este post; não conhecia a história do xadrez, mas gostei bastante de aprender!

bsj