sexta-feira, 2 de janeiro de 2009

O Príncipe Feliz


Tenho saudades da primavera quando, da janela da minha casa vejo, todos os dias, a azafama das andorinhas que são os pássaros de que mais gosto. O encanto delas leva-me bem atrás no tempo e lembra-me uma inesquecível história que li na infância. E quando a magia de um conto nos acompanha desde a infância deixa de ser a criação de um autor individual e passa a ser uma pertença nossa.

É o que sinto em relação ao delicioso conto que vos vou contar ou relembrar, de Óscar Wilde: "O Príncipe Feliz" o qual, sendo artisticamente belo e puro, toca-nos profundamente com toda a sua deslumbrante ternura humana.

Era uma vez um Príncipe, que morreu, e depois da sua morte construíram-lhe uma estátua para que toda a gente visse a sua beleza. Tinha duas safiras nos olhos e um rubi na ponta da sua espada.
Existia uma Andorinha que não partiu com as suas amigas, porque se tinha apaixonado por um junco. A certa altura, ela fartou-se do tal junco e foi para a cidade.
A Andorinha abrigou-se entre os pés do Príncipe Feliz. Ela pensava para si própria que tinha encontrado um quarto coberto de ouro, pois o Príncipe era revestido de ouro.
De repente, quando a Andorinha estava prestes a adormecer, caiu-lhe uma gota na cabeça. Ela, muito admirada, olhou para cima e não viu nenhuma nuvem. De seguida caiu a segunda. Quando a Andorinha se preparava para ir embora, caiu-lhe a terceira gota; foi nessa altura que olhou para cima e reparou que as gotas vinham dos olhos do Príncipe Feliz. Muito espantada, perguntou-lhe porque chorava e o Príncipe Feliz, disse-lhe que estava a chorar, porque, antes de morrer e de o colocarem naquele lugar mais alto, nunca tinha reparado nas pessoas pobres, no seu povo, enfim. Mas agora, que reparava nisso tudo, quem lhe dera ainda estar vivo!
O Príncipe Feliz viu uma costureira a fazer um vestido para uma dama e logo pediu à Andorinha para lhe levar o seu rubi, pois o seu filho estava doente e com febre. O menino pedira à mãe tangerinas, mas a ela não tinha dinheiro para lhas comprar.
Então, o Príncipe voltou a pedir à Andorinha, convencendo-a a ficar. E lá foi ela colocar o rubi na mesa da costureira; de seguida foi ao quarto do menino e bateu as suas asas junto dele de tal modo que o menino perdeu a temperatura e adormeceu tranquilamente.
A Andorinha voou, poisou no ombro do Príncipe Feliz e disse-lhe tudo o que fizera. A certa altura, a Andorinha sentiu-se muito quente, apesar do ar fresco.
O Professor de Ornitologia viu uma Andorinha no Inverno e foi logo ao Jornal Local comunicar a estranheza.
A Andorinha disse ao Príncipe que nessa noite iria para o Egipto, mas ele pediu-lhe que ficasse mais uma noite, porque vira um jovem escritor num sótão, com frio e fome, que não conseguia acabar a sua história. Ele, desta vez, pediu-lhe que levasse um dos seus olhos que eram feitos de belas e raras safiras.
A Andorinha disse-lhe que não! Mas o Príncipe implorou-lhe e assim convenceu-a! Ela tirou-lhe uma safira, levou-a ao jovem, deixando-a nas violetas murchas da sua secretária. Quando a lua apareceu, ela voltou para o Príncipe Feliz. Queria despedir-se dele, mas o Príncipe pediu-lhe que ficasse mais uma noite, porque na praça mais abaixo estava uma menina que vendia fósforos e que os tinha estragado porque caíra! E que o pai lhe ia bater se não levasse dinheiro para casa. A Andorinha retirou-lhe a outra safira e levou-a “À Pequena Vendedora de Fósforos”.
A Andorinha disse, por fim ao Príncipe Feliz, que ele agora estava cego e que ficaria com ele para sempre.
O Príncipe disse-lhe que estava coberto de ouro e pediu-lhe que o levasse aos pobres que, quando viram o ouro, disseram que assim já tinham pão…Chegou a neve e a Andorinha teve cada vez mais frio.
Ela informou o Príncipe que ia embora e pediu-lhe para lhe beijar a mão. Mas o príncipe disse-lhe para ela lhe beijar os lábios e logo o coração dele se partiu em dois.
O Presidente da Câmara viu o Príncipe todo cinzento e sem jóias. Por isso decidiu pôr a estátua na fornalha a derreter, mas reparou que o seu coração não derretia. Deitaram-no ao lixo, onde também se encontrava a Andorinha morta. Deus pediu a um dos seus anjos para ir buscar as duas coisas mais preciosas da cidade. O Anjo levou-lhe o coração do Príncipe e a Andorinha.
Deus disse-lhe que fizera a escolha certa.
Disse-lhe também que no seu jardim, no Paraíso, a Andorinha cantará para sempre assim como, na sua cidade do ouro, o Príncipe o honrará para sempre.

25 comentários:

Violeta disse...

e eu chorei...
bjs, nada melhor para a época, consegusite transportar-me ao tmepo d aminha infÂncia em que lia histórias da "majora".

JPD disse...

Fizeste uma excelente escolha: narrativa e autor.
Um ano a começar lindamente.
Bjs

M@ri@ disse...

Queridos/as amigos/as
Primeiro de tudo quero desejar lhes que este novo Ano
seja repleto de vitorias.
Que todos os sonhos sejam realizados.
Seja cheio de saude,paz e muito amor...
Desculpem esta ausencia tão longa,mas nao andava inspirada.
Finalmente vou voltando ao que tanto gosto de fazer
deixo um beijo muito doce
em vossos coraçoes .
Desta vossa amiga que os adora e nunca vos esqueçe.
M@ri@

Iana disse...

Hummm... quantas saudades senti daqui... estou voltando aos pouquinhos, saúde ainda me deixando +/- só mais de 1 mês em tratamento e cama, fogo já não era sem tempo de me libertar um pouco... :D

Vim desejar de coração um 2009 abençoado...

Desejo a você: O sonho realizado. O amor esperado. A esperança renovada...

Desejo todas as cores desta vida. Todas as alegrias que puder sorrir. Todas as músicas que puder emocionar...

Que sua família esteja mais unida, que sua vida seja mais bem vivida, que seu sorriso esteja mais presente em seus dias...

Beijos no coração sua rosa amiga
Iana!!!

JC disse...

Bonita história e bela lição de vida. Vale sempre a pena reparar os nossos erros por muito tarde que seja, no entanto há sempre alguém que quando algo não reluz manda deitar para o lixo. Espero que cada vez menos esta última ideia aconteça.
Andorinhas, pássaros negros e elegantes.
Beijinhos

Fenix disse...

Bonita história, belo video, boa música..., Queen - Who Wants to Live Forever...

Quem dera a todos nós termos uma segunda oportunidade para fazer as coisas bem.
Não importa se depois morremos, ou desaparecemos...
Fica o bem feito!

BOM ANO!

Abraço
Fenix

Pena disse...

Simpática Amiga:
Um mensagem poderosa. Extraordinária!
De enternecer e maravilhar o seu génio criativo.
Linda Amiga:
Um poema doce e de fascínio.
Queria deixar-lhe algo, que é meu:
O profundo valor da existência que está patente em mim, conheço-o.
Bem demais!
Coabito na compreensão dos que me amam. Sinceros. Puros. Ternos. Entendedores.
Não vou falar do amor, porque há amor. Estou certo disso. Disso posso estar certo e convicto.
Que alguém valioso como um tesouro escondido descortine a pureza e beleza do seu extraordinário e fantástico Ser.
Beijinhos de imensa amizade, estima e respeito.
Bem-Haja amiga!
Deslumbrado...

pena

OBRIGADO por existir e pela sua amizade para comigo.

gaivota disse...

e uma lição de vida na história deste príncipe que aqui nos deixas neste princípio do ano...~
.lindo!
bom ano
beijinhos

Peter Pan disse...

Simpática Amiga:
Um texto delicioso e fabuloso sonhado pelo seu encanto. Enternecedor e doce.
Sobre a vida? Procurei em mim.
Talvez, tenha alguns requisitos, embora tenha procurado muito.
Esforcei-me na sua busca. Rebusquei tudo! Mas, mesmo tudo, numa introspecção intensa. Era necessária.
Não sei!
Andei às voltas infindavelmente no pensamento. Nas ideias que me assolam. Nas atitudes. Nos gestos. No que sinto.
Apesar de não sobrar muito, estou presente em mim.
O que faço? Sei lá o que faço!
A vida que Ele me deu, não é só minha. É de todos!

Fascinado pelo brilhantismo presente da sua escrita genial e sublime.
É um Ser Divinal lindo.
Beijinhos de amizade que a respeita, a estima e a considera.
Sempre a admirá-la...SEMPRE!
Cordialmente ofuscado por tanta magia doce e extraordinária que são suas pertenças...

peter pan

O Profeta disse...

A humildade da água
Uma folha solta no vento
Cai sobre o mundo um manto de fino orvalho
Cada gota aprisiona um pensamento


Que o ano de 2009 seja a chegada aos teus mais
verdadeiros sonhos, que a tua alma encontre as mil cores
do feliz pensamento…


Que os nossos caminhos se juntem no espaço intermédio
entre a ternura e o tempo da viajem.



Mágico beijo

Fátima disse...

LINDO!!!
Não conhecia a história é a mais comovente que já li.
Boa escolha! Boa partilha!
:-) jokinhas

L.Reis disse...

A começar bem o ano...desejo-te um 2009 onde a tua vontade aconteça...

mariam disse...

Lyra,

lindo! obrigada!

e, p'las saudades da Primavera, convido-a a dar um "saltinho" até ao meu canto...

renovo os votos de um BOM ANO!
felicidades

deixo um abraço em forma d'arco-íris floral e o meu sorriso :)
mariam

Devaneante disse...

Sim, é uma história encantadora! Obrigado por a relembrares.

Leonor disse...

E o que gostei de reler este conto, Lyra!

É sempre bom vir aqui. Bom Ano Novo, com tudo o que desejes:))

beijinhos

Å®t Øf £övë disse...

Lyra,
Confesso-te que não conhecia esta história que é simplesmente linda, e que tem contida nela uma grande lição de vida. Temos que estar sempre a olhar os outros, a reparar neles, e a prestar o nosso auxilio, porque o que nos pode acontecer, é quando o quisermos fazer já ser tarde de mais.
Bjo.

Maria Clarinda disse...

como me lembro deste conto....obrigada pela recordação.
Jinhos mil

* hemisfério norte disse...

no dia de reis...votos de um bom 2009
bjs
a.

Carla disse...

conheço a história...acho que foi uma boa escolha
beijos

Carla disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Pena disse...

Linda Amiga:
Um Princípe empedrenido repleto de emotividade e sensações por descobrir.
Dele brotam lágrimas de beleza e pureza. Sensíveis ao povo que nunca tinha entendido na autenticidade de si.
Queria-lhe expressar umas "coisas" simples, mas carregadas de sentimento amigo:
Estou Entrincheirado num “Nada” repleto de um “Tudo”...!!!
Entendem...? A Alegria que é minha. A Alegria fascinante da minha existência.
Vivo. Existo.
Espero que entendam porque eu, sinceramente, não entendo...
Jamais virei a entender, estou certo disso...!
Nunca tive tanta incerteza...!
Apenas sei que estou feliz. Alegre. Satisfeito.
Nada mais consigo descortinar em mim e no que sou...!
Esta alegria. Esta felicidade. Esta satisfação.
Um “nada” que é “tudo” de alegria. De Felicidade.
Entendam lá...!

Beijinhos amigos de respeito que a estimam imenso.
Sempre a lê-la pela preciosidade textual que jorra ternamente de si e do seu encanto de imaginação fértil e poderosa.
Brilhante!

pena

Bem-Haja amiga por existir e pela sua amizade pura e extraordinária.

Delirium disse...

Eu não conhecia a estória... que triste ela, não?

f@ disse...

No caos em que vivemos... sempre sem tempo para ver ou sentir... raramente lembramos desta belíssima história...
vai com a neve vem com a flor... andorinha esta da história está sempre presente...

Beijinhos das nuvens

legivel disse...

... uma história que só podia ter sido escrita por Oscar Wilde e que até tem um Presidente de Cãmara lá dentro?! Que mais desejaria eu?!

Beijos, sorrisos e um Bom Ano!

Anónimo disse...

Gostaria de usar o seu texto sobre O Príncipe Feliz, se assim for possivel para fazer parte de um texto teatral baseado nas obras de Oscar Wilde. Deixo assim o meu contato e se interessar pode me escrever para que possamos lhe inviar o texto.
Obrigado.
Tato marinho
E-mail: delsonapolo@hotmail.com