segunda-feira, 17 de março de 2008

Holopoesia

O holopoema é o poema concebido, realizado e apresentado holograficamente. Isto implica dizer, a princípio, que ele se organiza no espaço tridimensional e, à medida que o leitor o observa, transforma-se e dá origem a novos significados. Assim, ao ler o poema no espaço, ou seja, ao caminhar ao redor do holograma, o observador modifica constantemente a estrutura do texto.
O holopoema não é um poema em versos transformado em holograma nem um poema concreto ou visual adaptado para holografia. A estrutura sequencial do verso corresponde ao discurso linear, enquanto a estrutura simultânea do poema concreto ou visual corresponde ao raciocínio ideográfico. O poema em versos, impresso no papel, estabeleceu a linearidade do discurso poético enquanto o poema visual inventou a liberdade das palavras na página.

A "nova" poesia holográfica começa nos anos 80 por libertar a palavra da página — através de um sistema passível de reprodução em série. Diferente do poema visual, ela pretende corresponder à descontinuidade do pensamento, ou seja, a percepção do holopoema não vai se dar linear nem simultaneamente e sim através dos fragmentos vistos aleatoriamente pelo observador conforme seu posicionamento em relação ao poema. A percepção no espaço de cores, volumes, transparências, mudanças de forma, posições relativas entre objetos, surgimento e desaparecimento de formas é indissociável da percepção sintática e semantica do texto. A cor não é só cor, ela também tem função poética: a letra não é só letra, é também forma pictórica. Se compararmos os elementos da linguagem com as noções da geometria euclideana, poderíamos pensar as letras como pontos, as palavras e as frases como retas e os textos visuais como planos. Assim, as letras teriam dimensão igual a zero, as frases teriam dimensão igual a um e os textos visuais teriam dimensão igual a dois. Por extensão, o holopoema, ao retirar o texto da página e ao lançá-lo no espaço, teria dimensão igual a três.
Mas o holograma não precisa ser necessariamente tridimensional, pois a geometria fractal revela-nos a existência de dimensões entre as de número 1, 2, 3 e 4 — e oferece-nos os instrumentos (softwares) para a criação de imagens com dimensões fracionárias: os fractais ensina-nos a aceitar a fração, a passagem entre duas dimensões como um novo valor em si. Trabalhar com fractais holográficos é gerar imagens holográficas de dimensão diferente de 3 ou, em outras palavras, fazer hologramas que não sejam tridimensionais.

Em matemática, ser um fractal significa, a princípio, estar entre uma determinada dimensão e outra (de número maior ou menor). Em arte, ser um fractal pode significar, por analogia, estar entre a dimensão verbal e a dimensão visual do signo. Levando adiante uma comparação, poderíamos tentar pensar uma linguagem — em movimento, em transformacão no espaço-tempo — que seja esta passagem entre o código verbal (a palavra) e o código visual (a imagem). Talvez a experiência estética, em sentido genérico, ou a experiência poética, em sentido estrito, possam ser enriquecidas se o observador-leitor estiver diante de um texto que se potencialize em imagem e diante de uma imagem que se potencialize em texto em um processo reversível.

9 comentários:

Rui disse...

Acredito que se sinta da mesma maneira.

Lyra disse...

Obrigada pela vizita e volte sempre!

O das Caldas disse...

Rendo-me. Tudo isto, para mim, está muito há frente! Eu, como barrista, nunca lá chegarei. Mas atenção, nós todos é que sabemos tudo.
Beijinhos das Caldas

Lyra disse...

Concordo! Somos todos partes fractais de um universo uno e caótico...

:O)

Anónimo disse...

"ser um fractal significa, a princípio, estar entre uma determinada dimensão e outra"
Afinal quantas dimensões nos Circundam? Haverá alguma noção real?

Lyra disse...

Hum, tanto quanto sei já se vai em 11 dimensões...
E este é, sem dúvida, um tema interessantissimo!

Bom fim-de-semana

;O)

Aline Gallina disse...

Como eu aprendo a fazer esse holopoema? Você tem alguma noção?

Anónimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
Sergio de Sersank disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.